quinta-feira, 28 de maio de 2015

2 trilhas escondidas em Santa Rita de Jacutinga

Santa Rita de Jacutinga é uma cidade mineira bem próxima da fronteira sul do Rio de Janeiro. Com mais de 70 cachoeiras mapeadas, o turista tem acesso entre 10 a 20% delas. No mapa que te entregam no Centro de Informações turísticas as mais famosas aparecem.


O moço desse centro é muito prestativo e nos dava o ínicio do caminho para elas, mas gente, por mais gentis, acolhedores, os mineiros não sabem dar orientação, as informações que tínhamos eram sempre desencontradas com a realidade. As distâncias são medidas por "logo ali" e "nem tão longe, nem tão perto". Como ninguém tem pressa, no passinho do mineiro, devagarinho e parando sempre que víamos alguém chegávamos ao nosso destino.

E essa introdução é para falar de duas cachoeiras lindíssimas que não foram fáceis de achar, me disseram que só com guia eu conseguiria, porém, a internet me deu pistas e fui atrás para explorar.

Cachoeira dos Sonhos e Cachoeira do Pacau.

Essa cachoeira do Pacau eu peguei um breve relato que me deu algumas dicas de onde a trilha poderia começar. Foi difícil de achar. No mapa que nos dão, não existe escala e nem proporção, então usamos a lógica.

Para achar essa cachoeira vc tem que pegar a estrada que vai para Bom Jardim, MG-457, dirija com cuidado, pq a estrada tem trechos com buracos, é mal sinalizada e mal cuidada, mas tem pouco trânsito e numa velocidade tranquila o passeio é bem bonito.

Você passará pela Cachoeira do Mendonça à direita de quem sai de Jacutinga, que fica embaixo de uma ponte. Vc está no caminho certo.

No km 20 você verá um recuo e uma placa. Ali na verdade é um Mirante para a Cachoeira do Pacau e acredito tb que ali se avista a Cachoeira dos Sonhos um pouco mais abaixo.

Vista do Mirante, abaixo a ferrovia.

Seguindo a estrada, aproximadamente no km 15, vc verá outra ponte ao sair de uma curva, vá devagar, antes dessa ponte tem uma pequena entrada que parece uma estrada, mas não é. Sugiro que vc estacione nesse ponto. Há uns 5 metros aproximadamente da estrada  à esquerda tem o início da trilha que acredito ser da Cachoeira dos Sonhos, mas se não for, não tem problema, pq é um pedacinho do paraíso.


Vá de bota ou tenis com um solado firme e se vc tiver um bastão de caminhada sua vida será facilitada. A descida é fácil, mas tem um trecho bem íngreme de terra com pouco apoio. Para evitar uma maior erosão do caminho sugiro uma corda de uns 10m para esse trecho para facilitar a retorno, mas digo, sem isso é possível fazer a trilha em segurança.

Uns 2m do ínicio, tem uma bifurcação, pegue à direita e siga. A trilha é dentro de mata bem úmida, e deve levar uns 10 a 15min para fazer. A medida que vc vai descendo é possível ouvir a cachoeira a esquerda, não tem erro. Eu saí na primeira esquerda, logo após um toco de árvore no chão e me deparei com um poço super gostoso. Subindo um pouco mais pude aproveitar uma pequena banheira de hidromassagem natural com uma pedra perfeita ao lado para um descanso. A frente a vista do vale e se vc tiver um binóculo poderá achar o mirante. É possível descer um pouco mais, mas eu não tive interesse.

Se vc tiver fôlego, na volta, deixe  seu carro parado aí. Atravesse a ponte à pé, à direita tem outra entrada, dessa vez uma estrada de terra, siga por ela, em 10 a 20m tem a entrada que acredito ser o início da trilha para a Cachoeira do Pacau. Já eram 13:30 e preferi não descer. A partir desse ponto não poderei mais ajudar, mas pelo relato que li é uma trilha com as mesmas características da primeira trilha com o tempo de descida de 20min.


Prestando atenção a sua direita, vc verá essa entrada bem íngreme. Minha especulação é que aqui comece a trilha para a Cachueira do Pacau


ATENÇÃO: Se vc não tem experiência de trilhas e não sabe tem um básico de orientação e navegação procure fazer essas trilhas com guias credenciados.

P.S.: Eu fiz videos do local, mas infelizmente o cartão de memória deu zica e só cnsegui resgatar poucas imagens

segunda-feira, 27 de abril de 2015

terça-feira, 31 de março de 2015

5 Impressões sobre o Curso de Operador Bushcraft

Eu poderia resumir em uma palavra de quatro letras, que começa com F e termima com  A, todo o curso, mas extenderei minha narrativa para vocês entenderem o quê digo.

Breve

 Conheci a Equipe Black pelo fórum Bushcraftbr. No início não me interessou os cursos, porque tinha acabado de fazer um curso de sobrevivência e outro seria redudante, mas como o fórum tem bons parceiros, resolvi me colocar à prova depois de 2 anos.

Quem eles são?

"BLACK é um grupo de treinamento, instrução e assessoria que atua no segmento de aventura, na organização de cursos e atividades de aventura, dando o suporte necessário à empresas, escolas, grupos de resgate, escoteiros, guias, monitores de esportes radicais, atletas e praticantes de atividades de aventura."  Retirado da página de divulgação do fórum.

O curso foi na Serra do Mar, próximo a São Bernardo do Campo, nos pegaram no metro de SP, estação Sacomã, tivemos atraso na saída, pq houve imprevistos com uns dos participantes. Nossa viagem até a base foi muito tranquilla.
Represa Billings

Objetivo
O objetivo do curso era passar por aquele final de semana praticando os conhecimentos mateiros utilizando recursos arcaicos e modernos para garantir a nossa sobrevivência.

Aborda-se de tudo um pouco:

- Orientação e Navegação
Contador de passos

Orientação pelo sol

- Transporte de ferido
Padiola improvisada com troncos grossos e gandolas. Posição 1

Posição 3 

- Nós e Amarras
Tudo o que se vê foi montato por nós com a ajuda dos instrutores
- Técnicas de Captação, Filtragem e Purificação

Chapéu, lenços e bandanas para a filtragem de macroelementos da água

- Montagem de Abrigo
Rede Guepardo, Toldo 2 x 3 da Nautika, 8 m de corda

Não se deixa equipamento no chão

- Abate e limpeza de caça ( no caso uma galinha)
- Construçao de armadilha
Exemplo de armadilha

- Noções de nutrição na sobrevivência

- Bate-papo sobre lâminas de sobrevivência


Minhas impressões

1. A comunicação desde inscrição, pagamento, orientações de transporte foi boa, bem explicada.
2. Local excelente para prática, todos os recursos que precisávamos estavam lá.
3. Conteúdo bem abragente e bem explicado. Apenas a tarefa de transposição de vítima foi tumultuada, pois foi realizada tarde e um tanto apressada, acho que poderia ter sido segmentada. Éramos 7 alunos, enquanto uns poderiam ter adaptado a padiola para o transporte, outros poderiam arrumar o cabo de transposição.
4. Como usamos recursos naturais, acho que poderíamos levar mudas de plantas locais para refazer aquilo que precisamos usar e termos aulas sobre como melhor usar os recursos sem desperdício.
5. Curso totalmente recomendado. O valor foi justo e o local era desafiador e os instrutores bem capacitados. Valeu tudo.
Missão Cumprida

Valores
Curso R$237,00
Passagem Rio - SP ida e volta R$170,00
Outros (lanche, taxi, bus) 35,00

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Desempenho da Mochila EVO 20, Saco Estanque entre outras observações


O blog etá parado, mas eu não. Firme nas trilhas, me preparando para uma aventura maior que é subir o Monte Roraima ainda esse ano. O treinamento do trilheiro é a própria trilha.

No último final de semana de Janeiro fui conhecer finalmente a Trilha do Perigoso e da Praia do Meio em Barra de Guaratiba.

Essas duas praias fazem parte do conjunto de praias selvagens do Parque Estadual da Pedra Branca.
Agora não falarei delas, mas fiz um videozinho de 10 minutos mostrando o equipamento que usei e como eles ficaram depois de tomarem chuva.

 http://youtu.be/mBN3qhcPHDU

Esses produtos vocês podem encontrar na Loja Bihai Adventure,se você mencionar que conhece o blog Mulheres na Mata ao comprar qualquer produto da loja ganha uma surpresa.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Manual de Primeiros Socorros

Demorei, mas não falhei em postar sobre atendimento de emergência. Segue uma Apostila da Fio Cruz atualizada sobre os procedimentos que todos os trilheiros conscientes deveriam conhecer.
Leia, estude e pratique. É fato que os primeiros socorros diminuem as taxas de mortalidade e lesões graves se bem executados.



terça-feira, 19 de agosto de 2014

Banco de Bateria portátil ou Power Bank

Todo mundo hoje sai com algum eletrônico no bolso, celular, camera, gps, sei-lá-mais-o-quê e para ficarem mais leve e durarem mais tempo esses aparelhos tem usados baterias recarregáveis ou invés de pilhas.
Às vezes o registro é tão intenso que a bateria é consumida rapidamente e para não lamentar o cessar de fotos, a solução são os power banks Atualmente, os camelôs cariocas têm oferecido esses bancos de bateria portáteis nas esquinas do centro da cidade. Fui no Saara (um grande mercado popular por aqui e comprei um para testar).
bateria recarregável

Na caixa diz que tem 5000mAh de armazenamento (0.o), Input: DC 5V-1000mA, Output DC 5.3V-1000mA(MAX), tamanho 22x24x96mm.

Review do gadget nesse video:

Minha conclusão: A qualidade é mediana, mas para emergência vale a pena.


domingo, 10 de agosto de 2014

Curso de Resgate em Situações Adversas - Cruz Vermelha

Mais uma experiência de tirar o fôlego! Privação de sono, conforto, fome, sede e nível de alerta máximo, mas como diria um companheiro do curso: "Muito feliz, faria tudo de novo"!

O Curso de Resgate instrui sobre sobrevivência, primeiros socorros, rapel, orientação, gestão de estresse (muito interessante), busca e salvamento, nós e amarras. Infelizmente o rapel não pode ser mostrado devido às condições climáticas.
http://www.cruzvermelharj.org/products/curso-de-resgate-em-situa%C3%A7%C3%B5es-adversas1/
A parte teórica foi muito bem fundamentada e parte prática bem executada.


Levei câmera, mas não dava tempo para registrar, percebi uma fotógrafa entre a equipe de apoio e deixei o trabalho para quem entende.
O curso exige algum preparo físico, além de leve privação de sono (que não deixa seu corpo descansar), vez ou outra carregamos vítimas com pelo menos 80Kg, exploramos o terreno a  procura de lenha, montamos abrigos em lugares desconfortáveis, subimos e descemos morros para cumprir a prova de orientação. Foi puxado!
Para começar fizemos pernoite na própria Cruz Vermelha e não sabíamos ao certo a que horas iríamos sair. Digamos que fomos acordados por instrutores animados!
Uma das muitas formações que íríamos fazer

Chegada no local das simulações
Não posso contar aqui tudo o que aconteceu e como, se não tiro o elemento surpresa de como acontecia as nossas simulações, mas em todas a adrenalina saía pela pele.


Porém, no Curso da Cruz Vermelha, tínhamos uma psicóloga à disposição e nossos limites eram testados frequentemente. No fim do curso ainda houve um tempo para a turma expor quais eram os fatores de estresse que mais afetaram nosso desempenho.
O fator emocional mina muito, então, ficou muito claro que devemos manter nosso corpo saudável, pq é menos um item para se preocupar numa situação de emergência. Outro fator que diminui bastante o estresse é conhecimento. Eu sei fazer nós e amarras, mas quando o tempo não está a seu favor, um nó simples não sai, lição aprendida: informação só vira conhecimento se colocado em prática, então pratiquemos nossas técnicas.
E quando todo mundo passa perrengue junto, a união é forte, um bom grupo saiu de lá.



Mas a volta foi assim para todo mundo...